domingo, 25 de janeiro de 2009

Descomposição

Você me quis, me compôs,
se fez em mim,
eu te derperdicei.
Você me quer, sem composição,
eu me faço em ti,
me entrego a você.
Você me espera,
eu volto pra ele.
Você me tem,
e eu me desperdiço nele.

Achados e perdidos

Te procurei, achei.
Te encontrei, me perdi.
Te possuí, me achei.
Te perdi, me encontrei.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Nem sempre

sempre.
ora só de corpo
ora só de alma
sempre de corpo e alma.

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Menos uma noite

o que gosto são os detalhes
que pra mim são preciosidades que formam o todo
gosto, jeito, gestos, susurros, olhares
ardente, galanteador, cuidadoso, envolventes, verdadeiros
detalhes imensos que tomam meu corpo
apoderam-se de mim por inteiro e
invadem meu coração em detalhes.

segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

Cozinha Rosa " Mexidão"

" Nem pró, nem contra. Foi pré e pró".


" A gente toma conta da gente, sem tomar conta disso"



"A luz limita, mas extravasa.
O escuro toma conta e a luz acontece"

"Viva o 1/2 do mato. Nem 1/3, nem 1/4. Viva o 1/2 do mato"

Ponto Extra: Hélio Aroeira

Salvem as baleias



quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

Devolva-me pra mim

No escuro te encontrei,
mas não era mais você.
Seus olhos me pediam,
sua boca me desejava.
Meu corpo solto nas batidas
que me levavam a você.
De uma extremidade a outra
eu implorava seus olhos juntos aos meus.
Me distraí, me perdi.
Me levei para o desconhecido, para o solitário
Fiz círculos, como uma borboleta,
que não era verde nem colorida.
Estive surda, cega, sem ação.
Ações despretenciosas, com pretenções em você.
Volto para de onde vim
vazia, sem alma.
Quero que me devolva o que tomou de mim
e o que me tornou.
Em círculos você me colocou,
em prova me deixou.
Vôo que não alcanço,
vazio que não preencho,
coração que não pertenço.

terça-feira, 13 de janeiro de 2009

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Rosa pra quê? clique e veja o clip " Samba da Rosa"

Rosa prá se ver, Prá se admirar
Rosa prá crescer, Rosa prá brotar,
Rosa prá viver, Rosa prá se amar
Rosa prá colher, E despetalar...

Bom dia, minha flor (intervenção)

Rosa prá dormir, Rosa prá acordar
Rosa prá sorrir, Rosa prá chorar,
Rosa prá partir, Rosa prá ficar
E se ter mais uma Rosa mulher...

Vinicius de Moraes

Picanha ao maracujá

É assim:
Você convida umas 10 pessoas legais, amigas e divertidas pra sua casa. Namorando, casando e avulsas.
Todos levam cerveja
Enquanto eles bebem e comem tira-gosto, você cozinha, muda a música, senta, conversa, fofoca, ri pra caramba e volta pra cozinha.


O que vai gastar: + - 70,00
2 picanhas suínas temperadas (compra no supermercado e não no açougue)
1 cebola ralada
algumas folhas de hortelã
1 xícara de suco de maracujá (coado)
1 xícara de vinho tinto
1 xícara de polpa de maracujá com semente (3 maracujás dá pra fazer tudo)
1 colher de sopa de mel
1 colher de sopa de farinha de trigo

Como:
Colocar a picanha em uma vasilha e jogar por cima: a cebola, o hortelã, o suco do maracujá e o vinho. Deixar umas 2 horas descansando.
Enquanto isso, você se diverte com seus amigos. Mesmo a picanha vindo temperada, tem que fazer isso!

Ligar o forno com 15 minutos de antecedência
Forrar um tabuleiro com papel alumínio
Colocar a picanha e o caldo todo no tabuleiro
Cobrir o tabuleiro com papel alumínio
Deixar assar por 1 hora

Enquanto isso.... você bebe, esquematiza o chá de panela, fala sobre o gatinho que te ligou falando que não iria, fala sobre o futuro e....

Tira a picanha do forno
Coloca o caldo que sobrou numa panela. Acrescenta a polpa do maracujá, o mel e a farinha de trigo.
Quando ferver, desliga o fogo
Coloca a picanha assada numa travessa bem legal e joga esse molho por cima.

Acompanha:
arroz
feijão tropeiro
musse de capuccino
e cerveja pra durar até as 22h.

Sem bater

Coração bate
coração dói
melhor momento de se aprender
bate coração
nos obriga a pensar
coração bate
nos obriga a viver
sem pensar, sem bater.

segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

listras

Foi numa viagem interminável e não voltou
não sei por onde ficou, nem se vai voltar
ficaram listras que separam meu coração
os ponteiros me fazem esperar
espero a cor verde juntar-se a vermelha e transfigurar o duplo em ímpar
furta-cor no que vejo e transparente no que sinto
aguardo o frio pra te sentir protegido
aguardo o céu se abrir
o azul mistura ao verde e o dia se faz colorido
se te persigo, não te encontro
em meus sonhos nunca te perco
a espera me aflinge
ainda vejo os dias verdes sorrindo pra mim
sob o chão vejo você em torno de mim
o céu se abre e nossa eternidade de faz colorida.

des-pertenço

Não sei o que dói mais
nem sei porque dói
o que segura não é seguro
a segurança me afasta
adoro suas camisetas e o cuidado em vestí-las
adoro sua euforia em me ver
e nosso abraço interminável na multidão
nas horas impróprias você me atormenta
na sua ausência, sinto sua presença
em meu corpo, em meu coração
a falta que me faz
a falta que te crio
fácil seria escolher entre as listras e os cacheados
que se envolvem em minhas mãos
não me perde não.
me perco em mim, em ti, em nós
me acho distante
me encontro em você, mas não me encontro em mim
sou eu assim sem você
não sou eu porque não me reconheço mais em mim
e não pertenço mais a você.

sem saber

Meus olhos, seus olhos
Nossas dúvidas, minha certeza
o invisível me persegue

olhando aqui de dentro, vejo dias coloridos
envolvo em mim mesma
desobedeço o incontrolável
não saio dos limites
sei, não faço. faço, sem saber
meu coração circula dando voltas assimétricas
um dia seu olhos, meus olhos
se encontrarão no ponto mais alto dos meus sonhos
controlando minhas dúvidas,
sua certeza.