quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Se eu soubesse o que viria, a sorte tinha tirado. O mundo revirado. Talvez ninguém tivesse vindo. Ou eu não teria ido. O primeiro seria eterno e o último esquecido. O padecer foi merecido. O único que talvez soubesse. Mesmo que desconhecesse o que viria.

Nenhum comentário: